Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Kim Jong-il’ Category

Há uns anos, depois de regressar da minha viagem à Coreia do Norte, fui convidada a participar num programa de televisão (cujo nome prefiro não referir) e a primeira questão foi qualquer coisa como: “Então Rita, conta-nos, a Coreia do Norte é mesmo um país assustador, não é?”

De lá para cá, de uma ou de outra forma, a pergunta já me foi colocada 4567 vezes. E confesso que é a pergunta que mais me aborrece, porque ninguém tem pachorra para ouvir o necessário contexto da minha viagem e porque a minha resposta, qualquer que seja, será sempre controversa.

Quem ouve um “não, a Coreia do Norte não é um país assustador” pensa que  estou “feita com os gajos” ou questiona-se “como é possível dizer isso de um país que oprime as pessoas?”

Se responder que sim, que “é assustador”, lá vêm mais 433 pessoas dizer que me limito a reproduzir ideias feitas.

E ambos terão razão. Nem o não nem o sim são respostas boas. A pergunta, convenhamos, também não.

Uma resposta destas não se dá de supetão, mas tento resumir que julgo que apenas vi aquilo que me foi permitido ver; que claro que há muitas dúvidas que nos assaltam a cabeça durante uma visita à Coreia do Norte; que não vi fome declarada; que não vi ninguém a ser executado na rua; que vi bicicletas (outra ideia feita, de que não há bicicletas na rua); e que, apesar de tudo, conheci pessoas extremamente simpáticas e genuinamente boas (e talvez ingenuamente também).

Fechem os olhos. Qual é a primeira imagem da Coreia do Norte que vos vem à cabeça?

a) Kim Jong-un

b) Desfile militar

c) Armas nucleares

d) a pivô da televisão norte-coreana

Eu fecho os meus. E à minha mente vêm imagens como: a Miss Kim encantada com um chapéu de palha; o sorriso de menino de Pak Kwang-ung, enquanto dançava no karaoke de Pyongyang; o canto caloroso das cigarras à entrada de Panmunjon; as duas irmãs de mãos dadas, num passeio de domingo com o avô…

É por isso que é tão difícil escrever sobre a Coreia do Norte. Porque vi (eu vi!) imagens ternurentas e sei que fiz amigos para a vida (embora alguns nunca mais os vá ver) e, ao mesmo tempo, as mesmas imagens podem guardar segredos terríveis. Jamais saberei.

O que sei é que, vítimas do tempo e deste tempo, nós jornalistas habituámo-nos a escolher os caminhos mais fáceis, que pretendem ir ao encontro do imaginário das pessoas, em vez de seguirmos estradas de inclinação acentuada, que clarifiquem (ou mesmo que transformem) mentes menos exercitadas.

Faço um mea culpa. Ninguém é inocente. Mas uns serão condenados enquanto persistirem no erro, outros serão ilibados sempre que tentarem fazer melhor.

Desta vez, o programa de investigação “Panorama da BBC persistiu no erro com a reportagem “Undercover in North Korea”. Os repórteres infiltraram-se numa viagem de estudantes, dizendo que de outra forma, enquanto jornalistas, jamais conseguiriam entrar no país mais fechado do mundo. É a primeira de muitas mentiras. E aquilo que se vê nesta reportagem é apenas a repetição de uma fórmula já gasta.

Read Full Post »

[Rita Colaço/Coreia do Norte/2006]

imagem-coreia

Para quem ainda não sabia, a Coreia do Norte tem um calendário próprio, ao ritmo do aniversário do Grande Líder.

Se Kim Il-sung fosse vivo (não sendo é como se fosse) faria hoje 101 anos, mas o calendário marca Juche 102. Kim Il-sung nasceu em 1912 e a partir daí começou o ano 1: Juche 1(Juche é um conceito criado por Kim Il-sung e que significa algo como “a Coreia por ela própria”).

Por isso, o ano de 2013  é para os norte-coreanos o ano de 102.

O dia é especial para (quase) todos os norte-coreaanos, mesmo para aqueles que fugiram do país. Quase todos os dissidentes que tenho entrevistado ao longo dos anos me dizem que Kim Il-sung é visto por todos como um herói. Como o homem que libertou a Coreia do Norte dos japoneses. Como o homem que trouxe prosperidade (até finais da década de 80) para o país. Já Kim Jong-il não reunia a mesma unanimidade e “adoração”.

Daí que o dia 15 de Abril seja, de facto, um dia especial para os norte-coreanos e, neste ano, para o mundo que espera em suspenso por um gesto perigoso de Kim Jong-un.

E porque hoje é dia 15 de Abril, ofereço-vos o remake sonoro da minha viagem à Coreia do Norte em 2006. Um retrato que apenas mostra a versão norte-coreana. Esta é a história tal como me foi contada.

(também podem ouvir aqui, mais ou menos ao minuto 29)

Ainda vos deixo a notícia publicada hoje pela KCNA e que, quanto a mim, traz um tom menos ameaçador e mais reconciliador.

 Pyongyang, April 15 (KCNA) — The dear respected

Kim Jong Un received a letter from the Central Committee of the Anti-Imperialist National Democratic Front (AINDF) on Monday, the birth anniversary of President Kim Il Sung.
The letter said: Thanks to the April 15 when the sun of Juche rose, the Korean nation could put an end to its history of distress interwoven with flunkeyism and national ruin, greet a new bright morning and take the road of eternal happiness and prosperity of the nation with spring sunshine given off from Mangyongdae.
The life of Kim Il Sung was an epic-like one of an invincible hero who clarified the truth that arms are a lifeline of the nation and guarantees the victory of revolution, restored the country by leading to victory the hard-fought battles against the Japanese and the U.S. imperialists under the banner of Songun and honorably defended the sovereignty of the nation.
He brightly indicated the path for national reunification by setting forth just and rational proposals and ways for reunification including the three principles of national reunification, the ten-point programme of the great unity of the whole nation and the proposal for founding the Democratic Federal Republic of Koryo.
The cause of the Songun revolution based on Juche is being successfully carried forward by you Marshal Kim Jong Un, who are identical to Kim Il Sung and leader Kim Jong Il.
In the letter AINDF vowed to glorify the idea of national reunification and leadership feats of Kim Il Sung and Kim Jong Il and vigorously advance for independent reunification, more deeply cherishing in mind the firm belief that Kim Il Sung and Kim Jong Il are always with the Korean people.
It also pledged to join the all-people resistance to frustrate the frantic moves of the hostile forces for a nuclear war and make positive contribution to bringing about a fresh turn in the efforts for national reunification in this significant year which marks the 65th anniversary of the DPRK and the 60th anniversary of the victory of the Korean people in the Fatherland Liberation War in response to the special statement of the government, political parties and organizations of the DPRK.

Read Full Post »

Lembram-se de Arnaldo Carrilho?

Ele foi o primeiro embaixador do Brasil na Coreia do Norte e deu ontem uma entrevista ao canal online Café na Política.

É um ex-insider que passou três anos na Coreia do Norte e que pode dar uma fotografia mais fiel do país mais isolado do mundo.

Arnaldo Carrilho considera que o Brasil pode ser um importante desbloqueador da tensão que se vive nesta geografia asiática, no contexto do bloco alternativo às grandes potências formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS).

É uma entrevista muito interessante. Vale mesmo a pena ver.

Read Full Post »

É a primeira vez que publico  a entrevista que fiz a este ex-soldado norte-coreano, em Agosto de 2006.

Publico-a em forma de diário.

Hoje, Young Jin Han vive na Coreia do Sul e é repórter do Daily NK. Lembrei-me dele, novamente, porque li isto e mais isto.

Sou Young Jin Han. Tenho 35 anos. Fugi da Coreia do Norte em Junho de 2000 e durante três anos vivi no nordeste da China, até que em Agosto de 2003 consegui entrar na Coreia do Sul.
 
Eu passava fome na Coreia do Norte e acima de tudo não tinha liberdade.
 
Eu sempre sonhei com a liberdade.
 
Estudei na universidade, entre 1987 a 1991 e depois servi no exército.
 
Na Coreia do norte, quem não trabalha para o Estado, nem vale a pena ir trabalhar para outro lado porque não recebe dinheiro. Num sistema socialista, o Estado dá dinheiro aos trabalhadores, mas agora, como a Coreia do Norte não tem dinheiro, os trabalhadores não recebem nada. Por isso, quando as pessoas trabalham não recebem nada. Se precisarem de alguma coisa vão aos mercados locais vender o que têm e trocam produtos.
 
Enquanto soldado do exército, recebia um salário mensal entre os cinco e os 10 mil wons. Com cinco mil wons conseguia comprar cinco quilos de arroz e com dois mil comprava uma pequena porção de carne de porco. São cerca de dois a três dólares por mês.
 
Como as pessoas recebem pouco, não querem trabalhar. Mas a polícia obriga-as. Por isso, as pessoas vão para o trabalho, mas não trabalham porque o governo não lhes dá dinheiro. Em vez de trabalharem, saem e tentam encontrar outras coisas fora do trabalho. Vendem qualquer coisa, no mercado paralelo.
 
Até aos anos 80, do século XX, tínhamos saúde, educação e alimentos básicos de graça. O sistema até ia bem, mas depois da morte de Kim Il-Sung, em 1994, o sistema faliu.
 
Houve uma crise de fome. Não havia qualquer apoio. Até ao ano passado [2005] nem suplemento de arroz era providenciado. Esta crise durou quase 10 anos. O Estado começou outra vez a dar em Outubro do ano passado, mas em pequenas porções. Só que isso acabou outra vez este ano [2006]. Desde Março que só os soldados recebem arroz. As outras pessoas têm que se arranjar por si.
 
Qualquer jovem norte-coreano serve no exército durante 10 a 13 anos. Desde os 17  até aos 30 anos. Durante esse tempo recebem treino militar, mas também fazem trabalhos de construção civil. Constroem estradas, edifícios…Trabalham como soldados e como operários de construção civil.
 
Desde a crise da fome, muitos soldados sofrem de má nutrição, mesmo estando no exército, por isso são mandados de volta para casa  porque não servem para o exército. Alguns roubam as aldeias mais próximas porque têm fome e claro que são castigados. Isto é o que se passa no exército regular. As tropas especiais, as que estão no paralelo 38, na DMZ [Zona Desmilitarizada], são bem nutridos, não sofrem de má nutrição.
 
O sistema educativo é bom, é gratuito, e os estudantes das universidades até recebem bolsas. Não têm de pagar, mas o dinheiro é pouco e os jovens estudantes são obrigados a trabalhar no campo nas férias. Trabalham para terem educação e têm que dar algumas coisas.
 
Por exemplo, quem quer estudar tem de criar coelhos e dar à escola pelo menos 10 peles de coelho para que a escola consiga vender essas peles e encaixar algum dinheiro. O governo não dá muito dinheiro às escolas.
Na verdade, a escola não é totalmente gratuita porque os estudantes são obrigados a trabalhar. A escola vende essas peles a outros países para conseguir obter moeda estrangeira, esse dinheiro vai depois para o governo, que depois reenvia uma pequena parte à escola.
 
A saúde também é gratuita. Os médicos tratam os pacientes de graça, mas cada doente deve comprar os seus próprios medicamentos. E as pessoas não têm dinheiro.
Todos os médicos na Coreia do Norte trabalham para o Estado e todos os hospitais são estatais. Eles recebem um ordenado muito pequeno do governo, por isso têm de fazer dinheiro extra, indo também ao mercado vender qualquer coisa ou receber dinheiro extra dos pacientes.
 
Todos os norte-coreanos estão organizados.
 
Todos são obrigados a estar numa organização, num sindicato de trabalhadores, ou de estudantes. E cada organização controla e regula os seus membros. Uma vez por semana, cada membro dessa organização tem que criticar uma outra pessoa qualquer por algum motivo. Com este tipo de organização, o governo consegue controlar as pessoas. Para além disso, o governo faz execuções públicas para amedrontar os norte-coreanos e controlá-los.
 
Vejo Kim Il-sung e Kim Jong-il de formas diferentes. Não tenho maus sentimentos para com Kim Il-sung porque ele lutou pela nossa independência durante o período da ocupação japonesa. A economia esteve bem enquanto ele esteve no poder. Depois da chegada de Kim Jong-il ao poder, começaram as políticas do medo e da força militar. O exército e a polícia começaram a controlar todos os aspectos da vida e a fome apareceu.
 
Eu odeio Kim Jong-il.  Eu não odeio Kim Il-sung.
 
Antigamente, aqui na Coreia do Sul, quando o número de refugiados era pequeno, o governo conseguia dar trabalho a todos, agora há tantos refugiados que o sistema de apoio não chega a todos e só 10% dos refugiados  têm trabalho. Este é o grande problema dos refugiados norte-coreanos aqui, agora.
 
Outro grande problema é que os refugiados mantêm o pensamento, as tradições e o estilo de vida norte-coreanos, por isso não conseguem conviver bem com os sul-coreanos. Quem se transforma para parecer mais um sul-coreano arranja trabalho mais facilmente.
 
Hoje sou repórter do Daily NK.
Estou na casa dos trinta.
 
Deixei os meus pais, irmãos e sobrinhos na Coreia do Norte. A maior parte dos refugiados norte-coreanos que vivem aqui [Coreia do Sul] ou na China deixou a família na Coreia do Norte.
 
Até meados dos anos 90, o governo norte-coreano castigava os familiares dos dissidentes, que também eram vistos como traidores, mas agora há cada vez mais dissidentes, por isso não conseguem castigar todas as pessoas. Por isso deixam as famílias viverem por si, mas só os vigiam.
 
Nunca mais vi ou falei com a minha família.
 
Gostava de voltar à Coreia do Norte, mas só depois da reunificação.
Gostava de voltar à minha cidade-natal e reconstruí-la.

Read Full Post »

Kim Han Sol. Um neto de Kim Jong-il que nunca conheceu o avô. Sobrinho do actual líder. Foi entrevistado por Elisabeth Rehn, antiga ministra finlandesa da Defesa, no United World College, na Bosnia, onde estuda.

Kim Han Sol vive com uma líbia, apoiante da revolução de Trípoli que fez cair Kadafi.

Era de um destes Kim que a Coreia do Norte precisava.

[Parte I – atenção, a introdução está em finlandês, mas a entrevista é em inglês]

[Parte II]

Read Full Post »

Este título tanto pode ser uma afirmação como uma interrogação.

Quem estuda o enigmático lado Norte da península coreana, diz que há uma nova forma de governar a Coreia do Norte. Um Kim mais dinâmico, com vontade de reformar o país.

Muito pouco se sabe sobre a vida de Kim Jong Un – até Alejandro Cao de Benos o reconhecia em 2010 *- mas o novo líder norte-coreano terá estudado na Suíça e, portanto, terá a noção de que o isolamento só leva o país à pobreza.

Kenji Fujimoto, nome fictício, trabalhou 13 anos como chef para Kim Jong Il, desde o final dos anos 80, e, pela primeira vez em 11 anos, regressou à Coreia do norte, a convite de Kim Jong Un.

De regresso ao Japão, Kenji disse aos jornalistas que o novo Kim quer reformar a Coreia do Norte ao estilo chinês. Terá dito Kim: “quando vou ao Japão ou à Europa vejo que há um grande fluxo de produtos e comida, mas quando chego aqui ao Norte não há nada. Será preciso estudarmos as políticas chinesas?”

A verdade é que Kim Jong Un aparece com mais frequência ao povo do que aparecia o pai, quase sempre acompanhado pela mulher, a sorrir e a dar mais abraços e beijos, e até Mickey e Winnie the Pooh, desenhos animados dos Estados Unidos, já foram aplaudidos pelo “Grande Sucessor”.

O futuro da Coreia do Norte a este Kim pertence. Ou não.

* – Alejandro Cao de Benos é o presidente e fundador da KFA (Korean Friendship Association). Ele garante  que é o único estrangeiro a representar a Coreia do Norte fora de portas.

Read Full Post »

Juche é a ideologia (ou uma religião?) que orienta os norte-coreanos e que, de forma sucinta, significa “autosuficiência” ou “a Coreia por ela própria”. É o marxismo-leninismo virado para a realidade norte-coreana. Dizia Kim Jong-il que Juche é uma “etapa superior” do marxismo.

Kim Il-sung terá desenhado o conceito/ideologia/religião/filosofia durante os tempos de luta contra a ocupação japonesa. E Juche passou a ser matéria de estudo em muitos países e deu até origem a partidos políticos.

Em França, por exemplo, foi fundado em 2007 o PJF, Parti Juche de France, que reclama ser a única organização política, fora da Coreia do Norte, a defender as ideias de Juche.

Fondé en 2007 par Philippe Lefebvre et Jérôme Bernard, le Parti Juche de France (PJF) est un parti révolutionnaire de type Juche, inspiré par réussite incontestable et éclatante du modèle socialiste de la République Populaire Démocratique de Corée édifié par le grand leader Kim Il Sung, et le dirigeant Kim Jong Il. Nous somme l’unique organisation politique hors RPDC à défendre les idées du Juche.
Le PJF perpétue les traditions de la Lutte révolutionnaire anti-impérialiste et fait des idées du Juche l’unique guide de ses activités, et soutient pleinement la politique de songun de la RPDC.
Le but immédiat du PJF est d’assurer la victoire complète du socialisme en France et d’accomplir les tâches de la révolution populaire et démocratique de libération nationale à l’échelle du pays tout entier; son but final est de transformer toute la société par les idées du Juche.
Le PJF est l’état-major politique qui dirige de façon unitaire la lutte révolutionnaire et le développement de l’idéologie Juche en France.

Quero falar mais vezes sobre Juche e sobre o kimilsunismo ou kimilsungismo. Se conhecerem algum grupo que estude ou apoie estas ideias, por favor, façam-me chegar essa informação. Obrigada!

Read Full Post »

Ganhou, pediu, exigiu…não importa o verbo. Importa a ação. Ou será ao contrário?

Kim Jong-un faz, desde a morte do pai, em Dezembro do ano passado, um percurso político-militar relâmpago. Agora, foi promovido a marechal do exército. Basta ler a wikipédia – com todos os erros que possa ter – para perceber que não se chega a marechal por dá cá aquela palha.

Ora, assalta-se-me uma questão (tipo “quem nasceu primeiro? O ovo ou a galinha?): terá Kim Jong-un inspirado Miguel Relvas ou Miguel Relvas Kim Jong-un?

Read Full Post »

[Foto gentilmente retirada daqui]

Kim Jong-un estará a seguir o exemplo do pai e do avô, ao livrar-se, desta vez, do vice marechal Ri Yong Ho (à esquerda na foto), o homem que o ajudou na difícil tarefa de sucessão.

A agência oficial de notícias, KCNA, escreve que Ri Yong Ho foi afastado de diversos cargos por razões de saúde. Já a agência Associated Press estranha porque o mentor de Kim Jong-un foi visto há poucos dias em público e parecia gozar de perfeita saúde.

A fórmula para afastar incómodos não será nova.

 

Read Full Post »

A Coreia do Norte publicou um Índice Global de Felicidade. Adivinhem quais são os países mais felizes do mundo? Aqui segue o top 5:

1 – China

2 – Coreia do Norte

3 – Cuba

4 – Irão

5 – Venezuela

No lugar 203º, aparecem…os Estados Unidos, o último do ranking norte-coreano e, por isso mesmo, o país mais infeliz do mundo.

Mais, aqui e aqui.

E como segundo país mais feliz que é, e como as crianças são o melhor do mundo, e como felicidade rima com criançada (não rima, mas está bem), aqui fica um vídeo desse grande dia 1 de Junho celebrado nesse grande paraíso que é a Coreia do Norte.

E deixo-vos também com um vídeo do líder do segundo país mais feliz do mundo, Kim Jong-il, que mostra a sua recente viagem até ao país (esse sim) mais feliz do mundo: a China.

Read Full Post »

[Amnistia Internacional – Foto da família Oh, tirada em 1991, e a única imagem do campo de Yodok]

Com base em novas imagens de satélite e em testemunhos de ex-prisioneiros políticos, a Amnistia Internacional (AI) estima que existam cerca de 200 mil pessoas encarceradas nos “campos de reeducação” norte-coreanos.

A Amnistia diz que, nesses campos, a tortura é prática recorrente e os prisioneiros são tratados como escravos.

Sam Zarifi, da AI, sublinha que a “Coreia do Norte não pode mais negar o inegável” e que “há centenas de milhares de pessoas que vivem praticamente sem direitos e tratados comos escravos”. Zarifi diz ainda que esta é uma das piores situações que a Amnistia tem documentado “nos últimos 50 anos”.

A Aministia Internacional diz que Kim Jong-il deve “fechar estes campos imediatamente”.

Read Full Post »

Mais uma vez, Kim Jong-il aparece como um dos líderes que mais sufoca a imprensa – de acordo com a lista da organização Repórteres Sem Fronteiras – e está a educar o filho, Kim Jong-un, para que a censura não perca fôlego.

Each day his activities, or those of his father or children, begin the TV news broadcasts and are front-page stories in the newspapers. The misspelling of his name suffices to send the culprit to one of North Korea’s ideological re-education camps. In 2008, Kim Jong-il ordered the security forces to prevent foreign videos, magazines, telephones, computers and CDs from entering the country from China. Several people have been executed for using mobile phones without permission.

Read Full Post »

[Foto: Matt Douma/LOS ANGELES TIMES]

Mais um relato da vida luxuosa de Kim Jong-il por um antigo guarda-costas.

Lee Young-guk trabalhou 10 anos para o líder norte-coreano. Até 1988. Ao longo do tempo, sempre sem sair de Pyongyang e do círculo fechadíssimo de Kim Jong-il, Lee também tinha direito a alimentos importados como tangerinas, bananas, abacaxis, carne de urso e de tartaruga. E achava que todos viviam assim na Coreia do Norte.

Um dia, o primo conseguiu um trabalho como motorista da família Kim e Lee decidiu abandonar o seu posto de guarda-costas, já que as regras dizem que não pode haver mais do que um membro da mesma família a trabalhar para Kim Jong-il.

Lee apanhou um comboio para a terra-berço – que ficava junto da fronteira com a China – e testemunhou um país miserável. Vista da janela do comboio, aquela não era a mesma Coreia do Norte que Lee via da janela do palácio de Kim Jong-il.

Desertou para a Coreia do Sul em 2000.

“The whole country was miserable. On the train there was vinyl instead of glass on the window, even though it was in the middle of winter,” he wrote in his 2002 memoir, “I Was a Bodyguard for Kim Jong Il.”

Read Full Post »

              [Foto: KCNA - Monte Paektu, lugar onde alegadamente nasceu Kim Jong Il]

Kim Jong Il faz hoje anos. Esse parece ser um facto.

A dúvida está no ano de nascimento. De acordo com os norte-coreanos, o líder faz hoje apenas 69 anos, mas há documentos russos e norte-americanos que dizem que Kim Jong Il nasceu em 1941 e que, portanto, completa hoje 70 anos.

A data terá sido forjada pelo Grande Líder, Kim Il Sung, até porque assim ficariam – pai e filho – com uma redonda diferença de idades de 30 anos. Significa que, pelos cálculos norte-coreanos, 2012 servirá para marcar o centenário do presidente eterno, Kim Il Sung, e o septuagenário do actual líder Kim Jong Il. Uma coincidência que dará, certamente, origem a vastas celebrações no próximo ano.

E some-se a sucessão que está na calha e tudo calha bem em 2012. Não havendo certezas de quando nasceu Kim Jong Un (o próximo na cadeira do poder), suspeita-se que o rapaz terá 28 anos. Ora, se ele fizer 29 ainda este ano, fará 30 no próximo que é, precisamente, 2012!

Mas voltando ao aniversário de Kim Jong Il, entre outras prendas, o líder norte-coreano recebeu mais uma dissidência no sapato. Um norte-coreano atravessou a fronteira do paralelo 38 rumo à Coreia do Sul, virando as costas às celebrações do aniversário de Kim Jong Il.

Enquanto isso, a poucas horas das celebrações, Kim Jong Chul, o segundo filho de Kim Jong Il, terá sido visto em Singapura a assistir a um concerto de Eric Clapton. Se calhar estava a convencer o músico britânico a dar um espectáculo em Pyongyang. É que, não vai há muito tempo, a Coreia do Norte convidou Eric Clapton a dar música ao líder, mas até agora…nada.

A Coreia do Sul também quis associar-se às festividades do líder vizinho e, como já vem sendo hábito, enviou balões para o Norte da península com mensagens anti-Pyongyang.

Escreve o  The Guardian que as celebrações deste ano não tiveram grande aparato e que o governo norte-coreano não conseguiu cumprir a tradição de distribuir rações alimentares mais generosas por toda a população, sempre que se assinala o aniversário de Kim Jong Il ou do presidente eterno já morto, Kim Il Sung.

Parece até que as embaixadas da Coreia do Norte, espalhadas pelo mundo, receberam ordens para lançarem apelos de ajuda alimentar aos governos estrangeiros.

Porém, basta ler a KCNA (a agência de notícias norte-coreana) para se perceber cada vez menos o que se passa neste país. Quando é que nos preocupamos a sério?

People from all walks of life and school youth and children significantly celebrated the birthday of leader Kim Jong Il.
An endless stream of officials, working people and school youth and children visited the venue of the 15th Kimjongilia Festival in Pyongyang and the Kimjongilia exhibition halls in provinces.
Performances were given at theaters and halls in Pyongyang, Kanggye, Hamhung, Chongjin and Wonsan cities, Taehongdan, Phyongwon and Kangryong counties and other areas before capacity audience.
Workers of the Kim Chaek Iron and Steel Complex significantly spent the holiday enjoying art performance, while producing much more iron and steel.
Sports and amusement games including volleyball, Korean chess and Yut-games were held in units including the February 8 Vinalon Complex, the Musan Mining Complex, the Namhung Youth Chemical Complex, the Anju Area Coal Complex, the Sinuiju Cosmetics Factory and the Hyesan Youth Mine.

Read Full Post »

Há rumores de que a sucessão norte-coreana está bem encaminhada.

Kim Jong-un, o filho de Kim Jong-il que lhe irá suceder na cadeira do poder, estará nesta altura a preparar uma viagem para a China sozinho. Irá, portanto, dar início ao beija-mão.

A AsiaNews escreve que o presidente chinês, Hu Jintao, e o seu sucessor, Xi Jinping, querem impulsionar a aliança, mas também querem que Kim Jong-un seja mais humilde do que o seu pai, Kim Jong-il.

Kim Jong-il’s designated heir appears to be preparing a solo visit to Beijing. Hu Jintao and his successor Xi Jinping want to boost the alliance but also demand greater humility from the son compared to his I’ll-do-it-my-way father, ‘dear leader’ Kim Jong-il.

(continuar a ler)

Entretanto, a Coreia do Norte sublinha a necessidade de diálogo com a Coreia do Sul, sem atrasos e sem pré-condições.

Recordo que, ainda esta semana, os sul-coreanos já tinham dito que só aceitavam falar com o país vizinho se estes reconhecessem a autoria nos ataques do ano passado e pedissem perdão.

Numa declaração publicada pela KCNA (agência oficial de notícias da Coreia do Norte), os norte-coreanos dizem que os sul-coreanos devem aceitar a proposta de Pyongyang para o diálogo, sem dúvidas inúteis ou preconceitos.

O ministro sul-coreano para a Unificação já veio classificar estas declarações como “propaganda ofensiva”, que em nada contribuem para o amenizar da tensão.

Read Full Post »

Um homem e uma mulher norte-coreanos terão sido executados esta segunda-feira, depois de terem sido apanhados a ler folhetos sul-coreanos.

PYONGYANG, North Korea, Jan. 24 (UPI) — A man and a woman caught reading South Korean propaganda were executed in North Korea Monday, activists reported.

The people executed were a 45-year-old woman accused of reading a propaganda leaflet and failing to report it and a regional military officer charged with pocketing the money sent along with the leaflets, The Chosun Ilbo reported.

Choi Sung-yong, the head of Family Assembly Abducted to North Korea, said North Korean security services collected about 500 people and forced them to watch the execution.

(continuar a ler)

Read Full Post »

Ora então, seguem as leituras do fim-de-semana:

O míssil sul-coreano; mais um aviso de Fidel; o suposto cartaz que anda a circular na Coreia do Norte e que mostra uma mão a esmagar um navio; noivos sul-coreanos impedidos de passar a lua-de-mel na China, só porque moram na cidade que alberga um centro para norte-coreanos; e o início do culto à volta da personalidade do sucessor de Kim Jong-il.

Seul cria míssil capaz de atacar instalações norte-coreanas

Fidel aparece outra vez e alerta sobre guerra

North Korea adds insult to injury

Korean honeymooners rejected entry to China

N.Korea builds ‘shrine’ to leader’s likely successor

Read Full Post »

A Península da Coreia disse adeus ao Campeonato Mundial de Futebol, na África do Sul. Depois da Coreia do Norte, agora foi a vez Coreia do Sul, que perdeu por 2-1 frente ao Uruguai.

Depois do mundial de futebol, a Coreia do Norte prepara agora o jogo das cadeiras do poder. No início de Setembro, o Partido Coreano dos Trabalhadores vai eleger novos líderes, naquilo que pode significar o início do processo de sucessão de Kim Jong-il (obrigada Francisco pela sugestão).

Este fim-de-semana, a Coreia do Norte recebeu mais uma condenação pelo ataque à corveta sul-coreana, em Março. O G8 (grupo dos sete países mais desenvolvidos, mais a Rússia) assinou um documento, onde se pede que sejam tomadas as “medidas apropriadas” contra os responsáveis.

A Coreia do Norte continua a negar o ataque mas diz estar disposta a falar sobre o assunto com a Coreia do Sul, sem meter os Estados Unidos ao barulho.

O presidente Obama continua a ter milhares de soldados na Coreia do Sul e, em caso de guerra, as operações seriam controladas pelos Estados Unidos. A cedência desse controlo para as mãos sul-coreanas estaria prevista para Abril de 2012 mas, tendo em conta actual o clima de tensão (será que não foi sempre assim?), o prazo foi novamente adiado para 2015.

Os Estados Unidos andam a aborrecer de tal forma a Coreia do Norte, que o regime do “Querido Líder” está a jogar – mais uma vez – com o argumento do prisioneiro.

O norte-americano Aijalon Mahli Gomes está preso, desde Janeiro, por entrar ilegalmente na Coreia do Norte. Mas o caso parece estar a ser mais difícil de resolver do que o das duas jornalistas norte-americanas, Lisa Ling e Euna Lee. Os Estados Unidos pediram a libertação de Gomes, mas a Coreia do Norte vem agora dizer que até está é a pensar em aplicar uma pena mais pesada a Aijalon Mahli Gomes. Esta é a notícia publicada pela KCNA, a agência de notícias norte-coreana:

Pyongyang, June 24 (KCNA) — The U.S. is escalating the campaign to put international pressure upon the DPRK while persistently antagonizing the DPRK over the “Cheonan” case. Such moves have gone beyond the tolerance limit.

The DPRK had already solemnly declared that it would consider the prevailing situation as a war phase and handle all relevant issues according to a wartime law.

An institution concerned is now examining the issue of what additional measure it will take against American Gomes in line with a wartime law. He is serving a prison term in the DPRK for the encroachment upon its sovereignty.

The U.S. government is requesting the DPRK to leniently set him free from a humanitarian stand, but such thing can never happen under the prevailing situation and there remains only the issue of what harsher punishment will be meted out to him.

If the U.S. persists in its hostile approach toward the DPRK, the latter will naturally be compelled to consider the issue of applying a wartime law to him.

E em Pyongyang está nesta altura uma delegação portuguesa da juventude comunista e também Tiago Vieira, que é o presidente da Federação Mundial da Juventude Democrática (julgo que Tiago é português). Juntamente com outras delegações, estão a preparar 17º Festival Mundial da Juventude e Estudantes. A KCNA informa:

Pyongyang, June 24 (KCNA) — Tiago Alexandre Ferraz Vieira, president of the World Federation of Democratic Youth, and his party, delegations and delegates of youth and student organizations from different countries and regions arrived here today to participate in the second international preparatory meeting for the 17th World Festival of Youth and Students and the international solidarity events of youth and students for support to the just cause of the Korean people.

(ler mais)

Read Full Post »

Hoje falei com Leonid Petrov, um professor russo que dá aulas de Língua e História da Coreia, na Universidade de Sydney, Austrália. Quis saber qual era a sua opinião sobre os rumores que correm à volta do futuro dos jogadores norte-coreanos. Estou a preparar um pequeno trabalho sobre esta questão para a Antena 1, que vai ser transmitido amanhã, o dia em que a Coreia do Norte se despede do Mundial de Futebol 2010.

Leonid Petrov tem um dos blogues que mais vezes espreito para saber o que se passa na Península Coreana e também organiza viagens para a Coreia do Norte. Considero-o uma das pessoas mais imparciais na análise deste tema. A seu pedido, passo a divulgar a próxima viagem que Petrov está a organizar e que aceita jornalistas:

Are you interested in travelling to NK for the  7th  Pyongyang International Science & Technology Book Fair (15-17 Sep.) and the 12th Pyongyang International Film Festival (17-24 Sep.)?

See below the conditions. Feel free to spread the word.

Universities, science and technology research institutions and publishing houses might be interested in participating in this book exhibition.

PISTBF introduces and shares the world’s recent science and technology achievements through books exchange and aims to develop friendship and cooperation between the nations.

All institutions and organisations interested in participation should contact L&J Development and Consultancy ( LJinfo@narod.ru ).

At the exhibition the participants they can conclude contracts of copyright and books sale with international organisations and North Korean publishing houses, they can discuss the practical issues, share the opinion and update their knowledge on the recent developments in world science and technology.

All the participants can exhibit recently published science and technology books, CDs and DVDs.

Exhibition dates: Sep. 15-17, 2010

Exhibition venue: Pyongyang International Cultural Exchange Centre

Sponsorship: Organising Committee of PISTBF, Committee of Cultural Exchange with Foreign Countries

Participation cost: Persons applying for participation before August 10, 2010 should pay 80€ per day (if application is made after that deadline – 100 € per day). This price  includes hotel cost, performance cost , internal transportation cost , interpretation cost and sightseeing cost.)

Rent of exhibition area: 4 square meters – 50€ ; 6 square meters- 80€;  9 square meters- 110€

The 12th Pyongyang International Film Festival (17-24 Sep.) encourages the development of national film in all countries under the motto “Independence, Peace and Friendship”. You will also attend the incredible ARIRANG Mass Gymnastics Show of 100,000 performers hosted at Pyongyang May Day Stadium, one of the biggest sport arenas in the World.

Journalists are welcome. The whole trip could be up to ten days long (14-25 Sep.). Just find a sponsor!
L&J DEVELOPMENT & CONSULTANCY
Business opportunities in Northeast Asia
********************************
8/b Luffman Crescent, GILMORE, ACT 2905, AUSTRALIA
Mob: +61-403076604
E-mail: LJinfo@narod.ru
http://LJinfo.narod.ru

Read Full Post »

A Associated Press (AP) fez uma peça sobre a forma como os norte-coreanos acompanharam o jogo dos 7-0.

A AP divulgou ainda imagens do treino dos jogadores norte-coreanos, na ressaca da derrota. É um vídeo que, para já, ainda não tem tradução.

Da Rússia, o jornalista José Milhazes traz-nos “reflexões tristes sobre a relação entre ditaduras e futebol”.

Na Coreia do Sul, o governo diz que detectou níveis anormais de radiação no paralelo 38.

A partir de Pyongyang, o embaixador brasileiro Arnaldo Carrilho deu uma entrevista à Reuters onde garante que o governo de Brasília quer estimular o diálogo entre a Coreia do Norte e o resto do mundo.

E Bush, o inimigo número 1 da Coreia do Norte saiu da reforma para dar um puxão de orelhas e Kim Jong-il.

Read Full Post »

Ontem, e pela primeira vez, o regime norte-coreano transmitiu em directo o jogo contra Portugal. Embalado que estava pela bravura dos seus jogadores frente ao Brasil, assim pensou que o mesmo fosse acontecer frente à equipa portuguesa. Veja-se o que escreve o jornal sul-coreano Chosun Ilbo:

North Korea broadcast live the country’s devastating rout at the hands of Portugal in the World Cup on Monday. A commentator from [North] Korean Central TV expressed disappointment when Portugal scored its first goal 29 minutes into the first half, saying, “We should have been more aware of the forwards coming from the second line.” But he was hopeful of the equalizer that never came, adding, “If we play our own style of game, we will be able to score.”

It was not to be. Portugal fairly pounded the North Korean goal in the second half to finish 7-0, leaving the North Korean commentator speechless. It was the first time North Korea ever broadcasted a World Cup match live.

Ainda no mesmo jornal, descobri que Kim Jong-il tem abilidades de agente secreto. Parece que o “Querido Líder” ensina tácticas através de um telemóvel invisível

North Korean leader Kim Jong-il “gives regular tactical advice during matches using mobile phones that are not visible to the naked eye,” the team’s manager Kim Jong-hun told ESPN Thursday. The coach dutifully told the sports channel that Kim Jong-il developed the James-Bond technology himself.

A mim não me espanta nada. O senhor tem dinheiro que se farta para desenvolver estas e outras tecnologias, ou não andasse ele a roubar dinheiro aos trabalhadores…

SEOUL (AFP) – North Korea has diverted tens of millions of dollars earned by its workers on African construction projects into secret funds managed by leader Kim Jong-Il, a report said Tuesday. (continua)

Read Full Post »

Fez-se História, novamente, 44 anos depois.

A Coreia do Norte deu luta até ao primeiro golo de Portugal. Perdeu força cedo demais.

Portugal ganhou por 7-0. Sou portuguesa, estou ao lado de Portugal, mas não posso deixar de sentir uma certa mágoa ao ver o desalento no olhar dos jogadores norte-coreanos. Mereciam ter marcado, nem que fosse um golo.

Read Full Post »

As lágrimas de Jong Tae-se estão a correr mundo.

O El Mundo, por exemplo, conta a história deste jogador que nasceu no Japão mas não é japonês; que é sul-coreano mas joga na selecção vizinha; que é cidadão da Coreia do Norte mas nunca lá esteve e mora no Japão. Confuso? Pois…também não é para menos. Leia-se, então:

Good Bye, Kim Jong Il

A Coreia do Norte surpreendeu no jogo frente ao Brasil e muitos falam disso. Aqui fica uma breve passagem pelos títulos internacionais:

North Korean media: Squad fought ‘fierce’ battle against Brazil

Brazil vs. North Korea: Kim Jong Il’s soccer soldiers hold firm, deny Brazil goal fest

Football king nation Brazil struggle to beat N. Korea

Brazil Gains Cold Win Against Unheralded Team

E ainda uma reportagem sobre os apoiantes – chineses – da selecção da Coreia do Norte.

Read Full Post »

Antes da partida, o jogador Jong Tae-se não conteve as lágrimas quando ouviu o hino da Coreia do Norte no estádio Ellis Park, em Joanesburgo.

O Brasil venceu a Coreia do Norte mas foi uma vitória com suor. Portugal que se ponha a pau!

Aqui ficam os golos!

Read Full Post »

É hoje que a experiente selecção brasileira e a – quase verde – selecção norte-coreana se encontram em Joanesburgo para o primeiro teste de ambas as equipas neste Mundial de Futebol 2010.

Enquanto o jogo não começa, a equipa norte-coreana tem treinado num ginásio público de Joanesburgo. Embora discorde do tom jocoso deste vídeo, resolvi publicá-lo para que se perceba melhor que esta selecção, apesar de ter poucos recursos financeiros, pode surpreender. Mais uma vez.

Mas também leio na Globo que o “time titular do Brasil pra estreia nunca atuou junto num jogo oficial“. Por isso, é melhor não cair em excesso de confiança. É que os norte-coreanos têm um sentimento de união muito grande.

Os brasileiros, os portugueses e o resto do mundo é que conhecem mal a Coreia do Norte e há sempre muitas ideias feitas sobre aquilo que não se conhece. Ora ouçam – neste vídeo – as impressões que a Rádio Web Nassau recolheu nas ruas brasileiras.

A poucas horas do jogo, a FIFA está a trabalhar para que a população da Coreia do Norte assista ao jogo. Ao mesmo tempo, enquanto uns apelam à abertura, outros trabalham às escondidas. Dunga parece apostado em seguir a máxima: o segredo é a alma do negócio. Mas o “Rooney asiático” – o jogador norte-coreano Jong Tae-se – é que abre o jogo todo. Diz ele que a equipa da Coreia do Norte é parecida com a Alemanha.

Numa página de apostas, o Brasil é dado como favorito e até se fala em mais uma goleada. Eu que não percebo nada de futebol, achei muita piada a este texto:

No lado coreano, apenas mistério. Como disseram aqui no Brasil, se mistério ganhasse jogo, Gilberto Braga seria técnico da Seleção (referindo-se ao novelista Gilberto Braga, autor de novelas como Vale Tudo, culminada pelo mistério Quem matou Odete Roitmann). Nos jogos esse ano, derrotas para Nigéria e Paraguai, empate com a Grécia (que apresentou um futebol paupérimo em sua estreia) e um empate com a “potência” Turcomenistão. Se no Brasil, a maioria dos jogadores joga na Europa, a Coreia do Norte possui apenas 3 jogando fora do país : mesmo assim na China, Rússia e no Japão. Nenhum na Europa.

Pode ser patriotada, mas depois dos 4 X 0 da Alemanha teremos outra goleada nessa primeira rodada.

O Bola nas Costas é que resolveu fazer uma animação em vídeo sobre o embate desta terça-feira.

Para finalizar, deixo aqui um documentário sobre a Coreia do Norte com assinatura brasileira. Mais logo, que vença o melhor!

Read Full Post »

reluctantcommunistcover

Durante esta curta pausa pascal, não consegui largar os olhos e as mãos deste livro.

É a história comovente de um sargento norte-americano que estava na Coreia do Sul (em finais dos anos 60 do século XX) e que, com medo de ser destacado para o Vietname, achou melhor desertar para a Coreia do Norte e lá (sobre)viveu 40 anos. Durante esse tempo, casou com uma japonesa que tinha sido raptada pelos norte-coreanos e, curiosamente, foi o amor que o salvou da “maior prisão do mundo”.

Charles Robert Jenkins passou esse tempo com mais três norte-americanos que – também por ignorância – cometeram o erro de desertar para a Coreia do Norte. Desses quatro, Jenkins foi o único que conseguiu escapar. Outros dois morreram lá (por doença) e, actualmente, apenas James Joseph Dresnok vive em Pyongyang. Jenkins conta no livro que Dresnok finge ser um norte-coreano convicto, para aguentar o isolamento e ganhar algumas contrapartidas do governo norte-coreano.

Há até um documentário britânico que se chama “Crossing the Line” (2007), em que Dresnok chama Jenkins de mentiroso (ver abaixo). Jenkins contrapõe dizendo que, neste filme, Dresnok só pode dizer bem da Coreia do Norte se quiser continuar a viver. Por isso é que o regime autorizou as filmagens…

O livro “The Reluctant Communist” é absolutamente contagiante e é mais um daqueles que mandei vir pela Internet, já que as prateleiras portuguesas ainda não têm espaço para estas geografias…

O documentário “Crossing the Line” também é um testemunho inédito, que foi disponibilizado há pouco tempo no YouTube. Está dividido em 9 partes.

Entre o livro e o documentário, descubra as diferenças…

Read Full Post »

Foi publicado, pela primeira vez, em França, em 2000. A tradução portuguesa chegou no final do ano passado e é mais um dos livros da minha modesta biblioteca norte-coreana. Deixo o texto da contracapa:

Pyongyang, capital da Coreia do Norte, 1977. Kang Chol-hwan vive com a família num bairro privilegiado da cidade. Tem nove anos. Na escola, ensinam-lhe que o Grande Líder assegura o poder e a autonomia do país contra “as marionetas imperialistas de Seul”.

Os seus avós são favoráveis ao regime de Kim Il-sung: o avô chegou mesmo a doar a sua fortuna ao Partido do Trabalho. Contudo, o velho homem desaparece. Pouco depois, o resto da família é detida e internada no campo de Yodok, sem qualquer explicação.

Começa então um calvário que durará dez anos, o período da adolescência para Kang Chol-hwan. Animado por uma indignação que jamais o abandonou, ele faz a terrível descrição do inferno organizado. Crianças ou adultos, todos são submetidos ao mesmo regime: trabalhos forçados, vigilância contínua, lavagens cerebrais, humilhações sistemáticas e castigos desumanos, para além da fome, do frio e do seu cortejo de doenças.

Trata-se do primeiro testemunho, no Ocidente, do universo concentracionário norte-coreano, os bastidores de uma farsa ubuesca e fraudulenta concebida por um Estado megalómano e tirânico. Enquanto a fome e a corrupção devastam aquele derradeiro reduto estalinista, Kang Chol-hwan denuncia, com uma voz simples e intransigente, os efeitos de uma propaganda associada a uma ideologia assassina.

Read Full Post »

%d bloggers like this: