Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 22 de Setembro, 2009

Economia dos Afectos

Ontem, a Coreia do Norte “convidou” os seus cidadãos a fazerem parte de uma nova campanha de reconstrução da economia.

A ideia é chegar a 2012 – ano que se assinalam os 100 anos de nascimento de Kim Il-sung – como uma “poderosa nação”, desenvolvendo quatro sectores principais: carvão, metal, aço e transportes ferroviários.

Ao mesmo tempo, e de acordo com um grupo sul-coreano de defesa dos direitos humanos, o regime norte-coreano encerrou o maior mercado de Pyongyang, onde existiam cerca de 40 mil bancas de venda. A Coreia do Norte parece estar a querer conter a ameaça da “epidemia capitalista”. No entanto, continua a permitir – e até a estimular – os pequenos mercados de rua. O sistema central de distribuição de rações parece estar falido e, por isso, esses pequenos mercados são sempre uma oportunidade para os mais pobres poderem ter acesso a algum alimento e, assim, libertar o Estado de mais uma responsabilidade… O problema é que, nesses pontos de venda, há cada vez mais produtos importados, sobretudo DVD’s de filmes e séries sul-coreanos. É um dilema:  a Coreia do Norte tenta conter o capitalismo, mas não consegue conter a entrada da Democracia. Este é, pelo menos, o relato dos dissidentes norte-coreanos que conseguem chegar à Coreia do Sul.

A esta economia doméstica, soma-se a economia dos afectos.

Norte e Sul conseguiram, finalmente, chegar a um entendimento sobre a reinício dos encontros entre os familiares coreanos separados pela guerra. No próximo dia 26 de Setembro – e até 1 de Outubro – há 200 famílias que vão dar o primeiro abraço em muitos anos. As reuniões foram canceladas há dois anos, quando o actual presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, chegou ao poder.

As famílias vão poder pôr a conversa em dia durante seis dias, num hotel norte-coreano que fica na Montanha do Diamante. O tempo é curto para tanto tempo sem um olhar, um toque, uma comunicação. Claro que – dirão muitos – é melhor que nada. Mas não consigo sequer imaginar como seria querer falar com a minha mãe e ter de pedir autorização – e até pedinchar – ao governo.

Na Península da Coreia, os afectos ainda são uma luta diplomática.

Read Full Post »

%d bloggers like this: